Quantas vezes você já encarou algum investimento como simples gasto? Essa visão é muito comum entre os profissionais da saúde e, para evitar que isso prejudique o desenvolvimento de um consultório, é importante sempre analisar a rentabilidade dessa despesa antes de classificá-la como um simples gasto.

O conceito de rentabilidade está diretamente ligado ao retorno que um investimento pode proporcionar ao negócio, o que permite avaliar seus riscos, definir se é algo que vale a pena e estimar o tempo necessário para obter o payback - prazo de retorno daquele valor investido.

Por exemplo: imagine uma clínica que pensa em adquirir uma nova cadeira odontológica. Inicialmente, o valor desse novo equipamento pode parecer um gasto exorbitante comparado a outras despesas da clínica. Realmente, um investimento de R$ 30 mil é algo significativo em um primeiro momento. Mas, se a administração da clínica fizer uma análise mais profunda dos retornos que pode obter a médio e longo prazo, verá que esse investimento é muito bem-vindo.

A conta é simples: se a clínica realizar cerca de 10 consultas por dia a um ticket médio de R$ 25 por exame (valor adicional ao custo/hora fixo da clínica), o valor do investimento será totalmente recuperado em apenas seis meses. Vale lembrar que essa quantia de R$ 25 é um valor adicional que não estava no orçamento de receitas previsto pela clínica e deve ser avaliado criteriosamente, pois um erro pode impactar toda a cadeia de clientes.

Antes de fazer uma compra dessas, também é preciso avaliar os riscos envolvidos no investimento e já definir um plano estratégico para evitá-los. Continuando com a situação da nova cadeira odontológica, talvez um dos maiores riscos seja o não comparecimento dos pacientes. Por exemplo, se é necessário fazer dez exames por dia e metade dos pacientes não comparecem à consulta, as expectativas de retorno sobre o investimento serão afetadas negativamente - podendo até tornar a compra inviável ou gerar um problema maior, dependendo da situação financeira da clínica.

Resumindo: um bom planejamento é essencial para o que clínicas e consultórios possam investir em novos equipamentos, procedimentos e se desenvolver. E para planejar o futuro, é preciso ter total controle das atuais finanças do negócio, sabendo todos os gastos e receitas da clínica. É preciso fazer uma análise profunda para entender quais procedimentos são mais rentáveis, quais são mais procurados pelos pacientes e que tipo de exame é mais custoso para a clínica.

Esse entendimento garante um controle financeiro preciso e permite a tomada de decisões estratégicas, visando melhorar o desempenho do negócio, reduzindo custos desnecessários e aumentando a realização de procedimentos lucrativos e rentáveis.