A digitalização das imagens radiográficas nos consultórios odontológicos tem sido uma prática cada vez mais comum no dia a dia clínico, devido às inúmeras vantagens que o processo apresenta quando comparado ao modelo convencional de processamento e revelação das imagens radiográfica.

Ao falar de obtenção de imagens digitais, temos o seguinte processo:

  • Na produção de qualquer imagem, os computadores utilizam o sistema binários com os números 1 ou 0. Eles representam “interruptores” ligados ou desligados e cada uma dessas unidades é chamada de bit.

  • Nesse interruptor com suas duas posições, podem ser acrescentados mais “interruptores” de acordo com a necessidade. Quanto mais combinações de “interruptores” em uma mesma posição, maior o contraste e nível de detalhes da imagem gerada.

  • A reprodução das imagens é formada por uma matriz de linhas e colunas que, quando combinadas duas a duas formam um pixel. Quando o sensor ou a placa de fósforo é sensibilizado, o sistema de transmissão varre a imagem fazendo a leitura de cada um desses pixels.

  • A figura abaixo demonstra bem essa relação: quanto maior o número de pares de linhas, maior será a qualidade da imagem e conseguinte mais preciso será o diagnóstico.

 Exemplo de resolução de imagem

Hoje, o mercado odontológico apresenta dois sistemas de aquisição de imagem radiográfica: os dispositivos de carga acoplada (CCD - Charge Couple Device); e as placas de armazenamento de fósforo (PSP - Photoestimulate Phosphor Plates).

Sensor intraoral

O sensor intraoral é um exemplo de sistema CCD, e possui um cabo que o conecta ao computador e seu respectivo software. Quando disparado, o raios X sensibiliza o sensor e a imagem é automaticamente revelada na tela do computador.

O equipamento tem a vantagem de obtenção da imagem instantaneamente na tela do computador, o que pode ser uma necessidade para especialidades como Endodontia, Implantodontia e Dentística. Porém, ele apresenta certas limitações devido à presença do cabo que pode gerar desconforto para alguns pacientes.

CCD

Placas de fósforos

As placas de fósforo são 30 vezes mais finas que os tradicionais sensores com fio utilizados na obtenção de imagens digitais, e muito parecidas com os filmes radiográficos tradicionais. Por não possuir fio acoplado, depois de ser sensibilizada pelo raios X, a placa de fósforo é introduzida em um scanner apropriado - esse equipamento vai fazer a leitura e enviar a imagem para o computador, em seu respectivo software.

As placas podem se adquiridas em diversos tamanhos e este sistema é muito utilizado por clínicas de radiologia e Periodontistas, além da endodontia e implantodontia.

Placa de fósforo fotoativada

 

 

Placas de Fósforo

 

 

 

 

 

Tecnologia X Método Convencional

Quando comparadas com o método convencional, essas tecnologias se destacam por diversos fatores, listados abaixo:

  • Redução de 60 a 90% das doses de radiação utilizadas;

  • Eliminação do processamento químico (revelação);

  • Visualização instantânea da imagem;

  • Armazenamento e transmissão de dados via e-mail para comunicação com outros profissionais e operadoras de saúde;

  • Possibilidade de utilização de softwares que ampliam a capacidade de diagnóstico;

  • Impressiona os clientes positivamente, agregando valor ao tratamento do cirurgião-dentista.

Espero ter ajudado a solucionar suas dúvidas! Se tiver mais algum questionamento, entre em contato com um de nossos consultores especializados clicando aqui.

Digitalize sua clínica!